• hodlthebook

Esquemas fraudulentos: como evitar?

Um dos principais problemas do ecossistema das criptomoedas é a existência de inúmeros esquemas fraudulentos. A tecnologia é recente e desconhecida e como tal, é inevitável que se assista a um aumento do número de esquemas piramidais, scams, fraudes e burlas. Os seus formatos são variados e devemos ter cuidado!


Adquirir e lucrar com criptomoedas é um processo simples e não existe propriamente a necessidade de depender de terceiros. Como tal, identifique tudo aquilo que considerar que é um esquema e rotule imediatamente como scam para não se envolver. Pode e deve chamar scam (palavra inglesa referente a “esquema”) a qualquer tipo de situação que considere que tenha um propósito enganador, falso, ilusório e fraudulento. Infelizmente existem bastantes situações deste género, principalmente numa área onde não existe qualquer tipo de regulamentação. Neste aspeto, as criptomoedas assemelham-se muito a “jogos da bolha” e é extremamente importante que se consiga evitar este tipo de esquemas para e poder assistir à adoção em massa das criptomoedas, seja a nível individual ou institucional.

A ideia deste tópico é apenas para ajudar a identificar três exemplos nocivos que tiram proveito da ignorância das pessoas e se aproveitam da sua falta de conhecimento. A maioria destes esquemas, rege-se por princípios errados e a quase todos optam por seduzir as pessoas das mais diversas maneiras de forma a captá-las para a sua mentira, prometendo mundos e fundos sem qualquer base sustentável, apenas com o objetivo de ficar com o dinheiro daqueles que acreditam na mentira. Existem vários géneros e pretendo enunciar alguns deles para que os possa evitar. #esquemasfraudulentos


" Scam ou esquema é qualquer tipo de situação que considere que tenha um propósito enganador, falso, ilusório e fraudulento"

ESQUEMAS PONZI


Provavelemente, estes são aqueles que mais influenciam as mente das pessoas. Os esquemas Ponzi ou esquemas em pirâmide já datam de há muitos anos. Um dos casos que mais se destacou a nível mundial talvez tenha sido o de Bernie Madoff, autor da maior fraude financeira de sempre nos Estados Unidos da América, tendo envolvido milhares de clientes e transacionado milhões de dólares. A empresa de Madoff foi uma das maiores em Wall Street e contornava o sistema, executando ordens diretamente no mercado, muitas vezes sem conhecimento prévio dos seus clientes. Foi preso em 2008.

No que respeita às criptomoedas, os esquemas Ponzi estão normalmente disfarçados de empresas que oferecem resultados garantidos. Garantem ganhos fixos diariamente e promovem a utilização do network marketing, uma das indústrias mais bem-sucedidas do planeta, para atraírem novos membros e assegurarem comissões chorudas e prémios cativantes e desejáveis para todos aqueles que atingirem os patamares mais elevados da pirâmide. É precisamente aqui que começa o problema. Os esquemas em pirâmide não detêm produto algum e atraem apenas investimento para pagar aos investidores mais antigos, acabando por se tornar insustentável. Normalmente, mantêm-se ativos muito pouco tempo, podendo a sua durabilidade variar entre algumas semanas a um ano. No fundo: rebenta a bolha! A maioria dos esquemas Ponzi relacionados com criptomoedas começam por apresentar diversos pacotes de valor crescente. Quanto mais alto o valor inicial, mais alto será o valor a receber. Muitas vezes, os pacotes mais altos oferecem mais percentagens de lucro superiores. Porém, gostaria de realçar que não existem lucros fixos constantes no mercado de criptomoedas! #esquemasponzi


PUBLICIDADE NAS REDES SOCIAIS


A publicidade e o marketing nas redes sociais são uma constante. É extremamente relevante para as empresas e particulares divulgarem os seus produtos e serviços e como tal, também se torna útil para os hackers divulgarem todo o tipo de links e pop ups para chamar a atenção de possíveis crentes em milagres. O público alvo deste tipo de esquemas fraudulentos é exatamente o mesmo daquele que acredita que pode emagrecer em duas semanas devido à ingestão de um produto de suplementação desportiva ou vai ganhar um automóvel topo de gama porque viu na internet que basta clicar no link e fornecer os seus dados para o a viatura aparecer na sua morada no dia seguinte: “Eu nunca acreditei e carreguei nesse tipo de publicidade”. “Claro que não! Nem eu!”

Se isto acontecia há alguns anos atrás no início da internet e ainda mal existiam redes sociais, imagine-se o que é possível conseguir hoje em dia a nível de fornecimento de dados, apenas por informar uma determinada rede social acerca dos nossos amigos, os nossos gostos e a nossa localização. No caso das criptomoedas, o processo é semelhante e a publicidade paga permite que através da definição do público alvo se consiga atingir uma audiência pré-selecionada, mostrando um link referente a alguém que ficou milionário porque comprou Bitcoin ou começou um “negócio em criptomoedas”. Tenha cuidado e evite estes links. #publicidadenasredessociais


PHISHING POR E-MAIL


O phishing por e-mail é muito comum e já existe há muitos anos. Não afeta somente as criptomoedas e ocorre imensas vezes com os bancos. Os ataques informáticos são constantes e apesar dos magníficos desenvolvimentos na área da cibersegurança, as tentativas de acesso às bases de dados institucionais são elevadíssimas. O phishing refere-se à tentativa que os criminosos efetuam no sentido de “pescar” dados do utilizador, enviando e-mails sob a forma de promoções, prémios ou dificuldades de acesso à conta. Habitualmente, incentivam o utilizador a fornecer ou utilizar os seus dados de acesso, apesar de o estar a fazer através e-mail institucional falso.

Sempre que acontecer uma situação deste género, pode utilizar diversas estratégias para se proteger. Antes de mais, confirme se o endereço de e-mail lhe parece correto e não apresenta nenhuma falha. Depois, leia o texto enviado no e-mail e procure por erros gramaticais ou palavras mal traduzidas. Se lhe parecer estranho, por favor, não dê importância a esse e-mail e elimine-o. Não clique no link. O objetivo desse link é redirecioná-lo para um website semelhante ao do prestador do serviço, podendo ser um hipermercado, um banco ou no caso das criptomoedas, uma wallet ou exchange. Será um website muito parecido ao original, mas se procurar bem, verá que não é igual. #phishing



Existem outro tipo de esquemas ou fraudes, mas estes exemplos são alguns dos mais recorrentes. Atenção às ICOs (Initial Coin Offerings) de criptomoedas com poucos fundamentos e aos links utilizados pelos hackers para promover exchanges falsas para roubar os seus dados de acesso ou giveaways, onde pretendem ficar diretamente com as suas criptomoedas. Aconselho prudência e sempre que quiser adquirir e transacionar criptomoedas, deve procurar informação fidedigna e aconselhamento presonalizado para que possa ter sempre o seu dinheiro em segurança. Caso necessite, envie um e-mail para info@hodlthebook.com e marque uma sessão. Encontramo-nos no próximo artigo!


Aproveita e siga o podcast HODLcast! para ouvir outros temas interessantes e aprender ainda mais. O episódio relativamente a este tema já está disponivel no Spotify e no iTunes.

69 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo